VÍDEO: policial prende e tenta algemar garoto de oito anos com deficiência, nos EUA

Um vídeo de um menino de 8 anos sendo preso na Flórida,em 2018, publicado na noite de domingo (9) pelo advogado de direitos civis americano Ben Crump gerou começão nos Estados Unidos. As imagens, gravadas com câmera corporal, mostram pelo menos três policiais atendendo uma ocorrência dentro de uma escola, enquanto um deles aborda a criança e chega a tentar algemá-la.

O menino, que tem deficiências emocionais e comportamentais, foi acusado de agressão criminosa, de acordo com um comunicado à imprensa do escritório de advocacia de Crump. A mãe do menino, Bianca N. Digennaro, contratou Crump e o advogado de direitos civis Devon M. Jacob para representar sua família no caso.

No comunicado à imprensa, Crump disse que o vídeo mostra “os policiais envergonhando e aterrorizando a criança, usando táticas de ‘medo direto’”.

Pelo menos três policiais estão presentes no vídeo, incluindo o que usa a câmera corporal. Um policial é visto dizendo ao menino que ele vai para a cadeia e, em seguida, revistando o menino no corredor da escola. O policial tenta algemar o menino, mas o instrumento é grande demais para os pulsos do menino.

Os policiais dizem ao menino para manter as mãos atrás das costas enquanto o conduzem para fora. Outra mulher está presente durante parte da prisão, ocorrida em dezembro de 2018, mas não se sabe quem ela é.

“Você entende que isso é muito sério. E odeio que você me coloque nesta posição, mas tenho de fazer isso”, disse um oficial ao menino. “Tudo bem, a questão é que você cometeu um erro e agora é hora de aprender com isso e crescer com isso, não repetir o mesmo erro novamente”, conclui.

Em sua declaração, Crump disse: “Aos oito anos, 3,5 pés de altura e 64 libras (cerca de 1,07m e 29 quilos), esse garotinho não representava uma ameaça para ninguém. Uma professora chamou a polícia quando o menino agiu errado”, disse Crump.

De acordo com o relatório do incidente, a professora Ashley Henriquez disse aos policiais que o menino a agrediu durante a aula. Henriquez disse que o menino não estava sentado bem na mesa do almoço e ela pediu várias vezes que ele se sentasse corretamente porque estava preocupada com a segurança dele.

Ela pediu ao menino que andasse com ela e ele “começou a xingá-la e disse-lhe: ‘minha mãe vai bater na sua bunda’”, diz o relatório do incidente, escrito pelo oficial Michael Malgrat. Henriquez afirmou que o menino então a socou no peito. Malgrat escreveu no relatório que observou que o menino estava “com as mãos cerradas em punhos e com uma postura como se estivesse pronto para lutar”.

Henriquez não sofreu nenhum ferimento como resultado do soco, de acordo com o relatório. O menino foi colocado sob custódia e transportado para o Centro de Detenção do Condado de Monroe para processamento.

“Com base nos fatos do caso, há causa provável para acreditar que violou o FSS 784.081 (2c) ao golpear de fato e intencionalmente Henriquez contra sua vontade”, diz o relatório do incidente. “Henriquez é funcionário do distrito escolar de Monroe County como professora licenciada”.

Deficiência

Em sua declaração, Crump disse que o menino tinha um IEP, ou Programa de Educação Individualizado para crianças com deficiência. O IEP tem “a intenção de garantir que sua experiência educacional seja apropriada para ele”, disse Crump no comunicado.

“Em vez de honrar e cumprir esse plano, a escola o colocou com uma professora substituta que não tinha consciência ou preocupação com suas necessidades e que agravou a situação usando as mãos para movê-lo à força”, disse o advogado de direitos civis no comunicado.

“Este é um exemplo comovente de como nossos sistemas educacionais e policiais treinam crianças para serem criminosas, tratando-as como criminosas. Se condenada, a criança neste caso seria um criminoso condenado aos oito anos de idade”, disse ele. “Essa criança foi reprovada por todos os que participaram desse terrível incidente.”

O colega de Crump, trambém advogado Jacob disse que, como ex-policial, ficou “horrorizado” com a conduta dos escritórios.

Crump e Jacob disseram que vão abrir um processo federal em nome de Bianca N. Digennaro, a mãe do menino, contra os policiais, funcionários da escola, o distrito escolar do condado de Monroe e a cidade de Key West, de acordo com o comunicado à imprensa.

A CBS News, fonte da matéria, entrou em contato com o Departamento de Polícia de Key West e o Distrito Escolar do Condado de Monroe para obter mais informações e está aguardando resposta.

Por CBS News

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *